Artigos Notícias

“As pessoas se constroem na família”

Por Antônio Mesquita Galvão


Não é raro se escutar que a família é construída a partir das pessoas – pais, filhos, avós, netos, sobrinhos etc. –, ligados por laços culturais, de parentesco sanguíneo ou não. Esta afirmação tem fundamento até certo ponto, pois não existe família sem pessoas. No entanto, é salutar observarmos que é a partir da família biológica, ou melhor, de sua otimização que vai começar a construção e o crescimento das pessoas. Tudo se inicia pela constatação de que a família, muitas vezes, é composta de pessoas tão desiguais, com características psicossociais díspares. O casal, por exemplo, ao criar uma família, reúne duas pessoas que têm histórias diferentes. Nesse particular a família – embora exceções – reúne aspectos constitutivos, como o afetivo, o relacional, o sociológico, o psicológico, o econômico, o cultural e o romântico. Uma família se compõe, entre outros fatores, do afetivo, do biológico e do relacional.

Quando o poeta afirma que dentre as coisas que catalisaram sua vida foi o aconchego do lar paterno, ele está afirmando a força de uma formação psicossocial que se organiza a partir de uma família bem estruturada, capaz de construir pessoas com base no amor, no respeito e na liberdade. Isto não é utopia, pois o inverso é verdadeiro, onde pessoas sem estrutura são fruto de famílias incapazes de qualquer tipo de construção afetiva. Pode haver diferenças, mas a regra geral é esta.

O verbo que move a construção das pessoas é amar, que, como falar, caminhar e trabalhar precisa ser começado, desenvolvido. Trata-se de um verbo ativo que não admite passividade ou acomodação. De fato, amor não é só sentimento, como dizem alguns: “Eu só vou amar quando começar a sentir…”. Não! Deve-se buscar o amor a partir do primeiro passo. Se eu não começo a amar, nunca vou sentir nada.

O amar traz à construção de uma família a compreensão, o apoio, a confiança, a liberdade. Eu e minha mulher sempre dizemos que a gente “se suporta” um ao outro, não no sentido de aturar, mas de “dar suporte” nas diversas circunstâncias de nossa vida. Para que a construção seja sólida, como uma “casa sobre a rocha”, é preciso o interesse e o perdão. Não se trata de uma atitude leviana e comodista. Perdoar, do latim per donare (dar para), é dar alguma coisa a quem precisa. Se alguém me ofende, torna-se meu devedor. Quando o perdoo, a dívida fica quitada. A “matéria-prima” do perdão é o erro do outro. Porque erramos Deus nos dá seu perdão. Nesse particular, perdoar se subdivide em vários atos, como vontade, generosidade e consciência. Na busca da construção das pessoas a partir do contexto familiar, é importante sempre reconstruir(se).

 

Este artigo é muito importante para toda a sociedade brasileira!

Reportagem extraída do Jornal Zero Hora, página 17 do dia 18 de fevereiro de 2010.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *